https://radiomixlimeira.com.br/feed/

Segue internado em estado grave homem que caiu de parapente em Limeira

Segue internado em estado grave no Hospital Estadual de Sumaré (HES) o morador de Rio Claro, de 48 anos, que caiu de uma altura de aproximadamente 20 metros, em um acidente com parapente na tarde de domingo (17) em Limeira. A informação foi confirmada pela assessoria da unidade.

A vítima sofreu uma fratura na região lombar após a queda e precisou ser socorrida pelo helicóptero Águia da Polícia Militar (PM), sendo levada para atendimento em Sumaré.

Ele foi resgatado consciente e, em breve, deve passar por cirurgia no hospital.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

O ACIDENTE

A queda ocorreu durante um voo de parapente na tarde deste domingo no Morro Azul, área rural de Limeira. O local é frequentado por populares para práticas de voo livre no município, como parapente ou paraglider.

Segundo o Corpo de Bombeiros, o acionamento da equipe para o socorro foi por volta das volta de 15h. Testemunhas informaram, no local, que o homem havia perdido o controle do parapente ao ser atingido por um vento forte.

As pessoas ouvidas na área disseram ainda que o vento estava mudando constantemente, alternando velocidades e dificultando o controle dos equipamentos de voo livre.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

FENÔMENOS CLIMÁTICOS

Segundo especialistas em voo livre, o vento é um dos fenômenos climáticos mais importantes a serem observados durante a prática da atividade, além da intensidade da atividade térmica e a nebulosidade.

O vento ideal para a decolagem é entre 5 km/h e 15 km/h. Quando o vento está mais forte, o voo não é recomendado devido ao risco de o praticante ser “arrastado” durante a decolagem.

A atividade térmica diz respeito às correntes de ar quente ascendentes. São elas que fazem o parapente voar alto sem a necessidade de propulsão, assim como acontece com aves como as águias e os gaviões. Mas as correntes podem gerar muita turbulência, por isto não é recomendado o voo quando a atividade térmica está alta, ou seja, quando existes muitas corrente de ar quente em circulação.

E as nuvens são ótimos referenciais da atividade térmica. Devem ser evitadas nuvens grandes e escuras pois, além de chuva, podem provocar ventos e correntes ascendentes fortes que oferecem risco ao voo livre. Pela perda de visibilidade é proibido entrar com o parapente dentro das nuvens.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.