https://radiomixlimeira.com.br/feed/

Limeira aguarda comunicação oficial do Estado para reduzir intervalo para aplicação de dose adicional

O governo estadual de São Paulo anunciou, nesta quinta-feira (2), a redução, de 5 para 4 meses, no intervalo mínimo necessário para que se tome a dose de reforço (dose adicional) das vacinas contra a Covid-19.

A medida vale para quem tomou duas doses dos imunizantes Coronavac, AstraZeneca e Pfizer, e “vai beneficiar cerca de 10 milhões de pessoas que se vacinaram nos meses de julho e agosto”, diz o governo. Quem tomou o imunizante de dose única da Janssen poderá receber a dose adicional do mesmo imunizante com intervalo a partir de 2 meses. No entanto, na ausência da vacina da Janssen, poderá ser administrada uma dose adicional da Pfizer.

Na capital, a redução do intervalo está sendo seguida desde ontem, de acordo com Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde. As outras cidades devem definir quando começam a aplicar a dose de reforço com um intervalo menor.

A Secretaria de Saúde de Limeira informa que ainda não foi oficialmente comunicada do anúncio do Governo Estadual. “Tão logo isso aconteça, a pasta dará prosseguimento às novas orientações do Estado e a população será informada”, diz a nota em resposta a questionamento feito pela Rádio Mix.

O secretário de Saúde do estado, Jean Gorinchteyn, disse que “o estado tem hoje condições logísticas e técnicas de ampliar a vacinação e reduzir o intervalo de aplicação das doses para que todos possam estar ainda mais protegidos”.

VARIANTE ÔMICRON
A medida, recomendada inicialmente pelo Comitê Científico do Coronavírus do estado, tem como contexto a confirmação de ao menos três casos da variante Ômicron em São Paulo; a proximidade das festas de fim de ano e a falta de obrigatoriedade da apresentação, de quem vem do exterior, do comprovante vacinal para entrar no Brasil.

Um pedido de redução do intervalo para a aplicação da dose extra foi feito pela Prefeitura de São Paulo à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta quinta. Os motivos apresentados à agência foram os mesmos elencados pelo governo do estado.

A chegada da Ômicron já fez com que, a nível da capital paulista, a festa de Réveillon fosse cancelada. No cenário estadual, o governo já recuou da data original de derrubar a obrigatoriedade do uso de máscaras em ambientes abertos no dia 11 de dezembro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.